Arquivo da tag: comidinhas

@MeatFreeMonday: Sopa Verde Crocante @segundasemcarne #receita #gastronomia #sopa #caldo #inverno #frio #friozin #Rio #Brasil #Brazil

Estou gostando de exercitar minha criatividade na cozinha com receitas sem carne. Ainda mais agora que tenho acesso a produtos orgânicos direto da horta pro meu fogão. A primeira receita foi de Antepasto de Jiló, seguida por uma receita super inventada e batizada de Guacamole Carioca. Hoje é a vez da Sopa Verde Crocante.

Vamos lá: verde_crocante

  • 3 batatas baroas médias
  • 1 cebola grande
  • 5 dentes de alho
  • meio quilo de abobrinha verde
  • meio quilo de vagem
  • sal a gosto
  • pitadas de páprica doce a gosto
  • pimenta preta moída a gosto
  • azeite para refogar
  • 1 litro de água
  • salsa e cebolinha picadinhas para finalizar
  • quadradinhos de queijo minas [opcional]

Modo de fazer:

Lavar bem lavados todos os legumes. Tirar a casca da batata baroa. Picar a abobrinha verde e a baroa em rodelas. Picar bem pequenos a cebola e o alho. Jogar esquichadas de azeite na panela e refogar a cebola picada e os alhos. Em seguida acrescentar as rodelas de baroa e abobrinha verde para refogar também. Acrescentar a pimenta, a páprica, o sal, mexer e deixar refogando com a tampa da panela semiaberta por cerca de 3 minutos. Colocar 1 litro de água no refogado e deixar cozinhar até os legumes ficarem macios. Enquanto estão fervendo para cozinhar lave bem a vagem, corte as pontas e corte-as em pedacinhos pequenos (quadradinhos). Quando os legumes estiverem macios, tire do fogo, acrescente um copo de água natural e use o mixer para bater tudo até formar um creme (se preferir um liquidificador o resultado será o mesmo). Volte com a panela para o fogo, tempere a gosto e acrescente os quadradinhos de vagem. Assim que levantar fervura pode desligar. É a vagem al dente que dá crocância à receita. Para incrementar, corte pedacinhos de queijo minas e deposite no fundo da tigela. Despeje a sopa por cima e, para finalizar, jogue salsa, cebolinha e um fio de azeite do bom. Vai ficar incrível.

Bom apetite!

Deixe um comentário

Arquivado em Receita

@MeatFreeMonday: Guacamole Carioca @segundasemcarne #receita #gastronomia #guacamole #Rio #Brasil #Brazil

A semana se inicia e venho aqui dividir mais uma receita sem carne, não só pela mensagem que a iniciativa de comer menos carne carrega, mas por uma cozinha mais criativa e saudável. A receita da semana passada foi de Antepasto de Jiló. Eu ganhei um abacate na minha visita à roça e como adoro pepino, resolvi colocar o fruto numa receita de guacamole inventada. Ficou uma delícia! A crocância e o frescor do pepino deram um toque especial à receita, completamente modificada da original mexicana, que leva apenas abacate, cebola, tomate, limão, coentro, sal e pimenta jalapeño.

GuacamoleVamos lá:

  • 1 abacate médio
  • meia cebola grande
  • meio pepino japonês
  • 1 tomate
  • sal a gosto
  • 1 colher de sopa de suco de limão
  • pimenta preta moída a gosto

Modo de fazer:

Picar bem pequenos a cebola, o pepino e o tomate. Amassar o abacate com um garfo numa tigela com o sal e acrescentar todos os ingredientes picados, misturando bem. Por último moer pimenta preta a gosto e espremer o suco de limão por cima.

Deixe um comentário

Arquivado em Receita

@MeatFreeMonday: sanduíche de #pão integral com queijo minas e antepasto de jiló @segundasemcarne #receita

A campanha Meat Free Mondays é um movimento internacional que tem como líder maior o ex-Beatle Paul McCartney. O objetivo é incentivar a redução do consumo da carne. Aqui no Brasil existe uma vertente apoiada por diversas celebridades nacionais, a Segunda Sem Carne.

Resolvi aderir e hoje vou dividir aqui no blog a receita de um antepasto de jiló que eu fiz e que ficou divino.

Vamos lá:

  • 12 jilós frescos
  • 6 dentes de alho
  • meia cebola grande
  • 1 pimentão amarelo pequeno
  • azeite a gosto
  • 1 xícara de café de cheiro verde
  • sal a gosto
  • orégano a gosto [opcional]
  • 1 xícara de água filtrada
  • 6 pimentas biquinho em conserva e uma colher de sopa da água da conserva [opcional]

Modo de fazer:

AntepastoJilóCortar os jilós em tiras bem fininhas. Espremer 3 dentes de alho e cortar os outros 3 em 3 fatias grossas. Cortar a cebola bem picadinha. Colocar três esguichadas de azeite na panela e refogar toda a cebola e os alhos espremidos até ficarem dourados. Acrescentar os jilós e refogar até murcharem. Deixar que queimem um pouco no fundo da panela, esta é a manha para alterar o amargo característico do jiló. Adicionar o pimentão amarelo e mexer. Colocar a xícara de água, os alhos cortados, o sal e o orégano. Adicionar um pouco mais de azeite e mexer. Deixar cozinhando até que forme uma pasta. Quando estiver bem homogênea, tire do fogo e adicione metade do cheiro verde e as pimentas biquinho com um pouco da água da conserva. Mexa bastante para que todos os ingredientes se combinem. Coloque numa tigela, de preferência de vidro, acrescente um pouco mais de azeite, mexa com um garfo e coloque o restante do cheiro verde por cima, sem misturar. O ideal é deixar na geladeira de um dia para o outro, para que o gosto fique mais apurado.

Você pode servir com fatias de pão, torradinhas, acompanhando saladas ou num sanduíche de pão integral com queijo minas.

Fica delicioso!

Bom apetite!

Deixe um comentário

Arquivado em Receita

Feliz Ano Novo!!

As melhores coisas de 2011!

 

 

1. Carolinas recheadas por Lulu Graciosa.

Se você estiver no Facebook, aqui está o link com o vídeo da receita.

As deliciosas carolinas recheadas ou profiteroles ;)

2. O vídeo caseiro que minha amiga Flavinha fez da nossa viagem à Europa! Perfeito e hilário!

Foi mal, mas não dá pra divulgar!

3. O nascimento da Oficina Compartilhada, blog de Prosas & Versos em parceria com a minha irmã caçula Gabish e o amigo Cid. Nos comprometemos a postar semanalmente e cumprimos. AMOR é o marcador campeão, seguido de CONSCIÊNCIA e CONFUSÃO/INSEGURANÇA… Não precisa explicar mais nada, precisa?! rs

Às vezes é uma merda, mas outras vezes é muito lindo! Vai lá! http://oficinacompartilhada.blogspot.com

Blog, Twitter e Facebook: adoramos escrever!

4. A pré-candidatura a vereador do meu amigo Fabiano Carnevale.

O cabeçalho do blog do Biano.

5. O bicentenário da Champagne Perrier Jouët que inspirou uma fase deliciosa da minha vida.


6. O post do Eat Girls sobre o famoso drink White Russian, eternizado pelo filme The Big Lebowski. Ultra divertido!

Muito bom, Dude!

7. A descoberta das maravilhas que Downtown Los Angeles guarda, especialmente o Restaurante e Bar Cole’s, que disputa com o Philippe o título de melhor French Dip Sandwich da cidade. O French Dip é um sanduíche de pão de sal recheado com muitas fatias de carne que se come mergulhando num caldo ralo de carne. É uma coisa de louco. Eu provei os dois e prefiro o Cole’s disparado. Além do mais, lá tem os melhores drinks preparados com muito capricho, os famosos Old Fashioned Drinks. Muitos bartenders que ganham concursos de drinks estão lá ou por lá já passaram. O site do Cole’s tem um vídeo engraçadinho explicando como se deve comer o French Dip. Vai lá!

Screen Shot do site do Cole’s.

8. A Primavera Árabe, o Movimento dos Indignados, o Ocupando Wall Street, o Movimento Estudantil Chileno, o Acorda Rio, a Marcha das Margaridas, e tantas outras ações importantes em prol da democracia.

Liberdade, Igualdade e Fraternidade.

9. A série da HBO Game of Thrones. Imperdível. Que venha 2012!!!

Chega abril, chega abril!!

A nossa história não termina aqui!

Um 2012 maravilhoso para todos nós!

2 Comentários

Arquivado em Ideias, Impressões, Turismo, Viagem

Mac and cheese gourmet

Macaroni and cheese não tem nada a ver com macarrão aos (quatro) queijos. Servido nos EUA muitas vezes como acompanhamento, o prato é reinventado por muitos restaurantes. A onda aqui é fazer com queijos diferentes, tornando a receita bastante sofisticada. Alguns restaurantes colocam queijo gouda e/ou brie e já até comi um com lagosta no Wine Down Lounge aqui em Long Beach. Delícia!

Já testei tantas receitas que virei expert no assunto! Vou dividir a melhor com vocês, em duas versões (inglês e português), porque no Brasil a marca de sopas Campbell’s não emplacou e eu uso a sopa de queijo cheddar como base.

O segredo é usar uma massa cilíndrica, tipo penne ou rigatoni, para que o molho entre nos buraquinhos e dê bastante sabor. Aqui eles usam a elbow pasta ou massa cotovelo, mas a tradução quebra todo o encanto, não é mesmo? A massa depois de cozida é ‘banhada’ no molho de queijos e gratinada no forno com mais queijo por cima e farofa de farelo de pão na mateiga. Uma coisa de louco!

Com um bom cabernet então, uma tentação.

Elbow Pasta

Ingredientes

  • 150gr  de penne ou outra massa de sua preferência
  • 2 colheres de sopa de manteiga
  • 1 pote de requeijão cheddar (vi que o Zona Sul vende a marca Sítio do Vale Verde)
  • 1 colher de sopa de mostarda Dijon
  • 1/2 xícara de leite
  • 1/2 xícara de cebola bem picadinha e 1-2 dentes de alho espremidos
  • 1/2 colher de chá de paprika
  • Queijo Gouda ralado
  • Queijo Asiago ralado
  • Queijo Brie picadinho
  • Sal a gosto
  • Pimenta do reino a gosto

Variação: pode ser feito com queijos de sua preferência. O brie dá um gosto forte. Gosto muito do queijo gouda defumado, mas ele também rouba bastante o gosto dos outros queijos. Às vezes eu adiciono cebolinha picadinha no final do preparo ou refogo a cebola e o alho junto com presunto de parma picado.

Cobertura:

  • 2 colheres de sopa de manteira
  • 1/2 copo de farelo de pão

Modo de fazer

Pré aqueça o forno a 300 graus.

Cozinhe a massa al dente com um fio de óleo ou azeite. Escorra bem e tempere com sal e pimenta à gosto.

Enquanto a massa estiver cozinhando, prepare o molho de queijos em uma outra panela. Refogue a cebola e o alho na manteiga. Acrescente o leite, a páprica e a mostarda, mexendo por 5 minutos. Adicione o requeijão sempre mexendo, para que o molho fique homogêneo. Junte os queijos ralados aos poucos, mexendo até que se incorporem ao molho.

Envolva o macarrão no molho e coloque num pirex. Coloque mais queijo ralado por cima.

Para a cobertura derreta a manteiga e junte o farelo de pão para fazer a farofa. Cubra o macarrão com a farofa e leve ao forno por aproximadamente 30 minutos, até dourar.

Tire do forno e deixe descansar por 5 minutos antes de servir.

No dia seguinte fica ainda mais gostoso!

Bom apetite!

Mac and Cheese temperado com Peperoncini

Ingredients

  • 150gr  elbow macaroni or penne
  • 2 tablespoons butter
  • 1 can of Campbell’s cheddar cheese
  • 1 tablespoon  mustard
  • 1/2 cup of milk
  • 1/2 cup yellow onion, finely diced (and 1-2 cloves of garlic if you like it)
  • 1/2 teaspoon paprika
  • Smoked Gouda, shredded (or any other you like)
  • Asiago cheese, shredded  (or any other you like)
  • Sharp cheddar, shredded (or any other you like)
  • Salt as you wish
  • Fresh black pepper as you wish

Variation: it can be made with only one type of cheese, or as many as you want.

Topping:

  • 2 tablespoons butter
  • 1/2 cup bread crumbs

Directions

Preheat oven to 350 degrees F.

In a large pot of boiling, salted water cook the pasta to al dente with 1/2 tablespoon of oil. Drain well, rinse with cold water and season with a bit of salt and pepper.

While the pasta is cooking, in a separate pot, melt the butter. Stir in the onion and whisk until golden (add here the garlic if you like it). Stir the milk, paprika and mustard and keep moving it for about five minutes. Make sure it’s free of lumps. Add the Campbell’s Cheddar Cheese, always moving, until it’s heterogeneous.  Stir in the shredded cheeses, little by little, always moving and simmer for some minutes.

Fold the macaroni into the mix and pour into a casserole dish. Top with remaining cheese.

Melt the butter in a saute pan and toss the bread crumbs to coat. Top the macaroni with the bread crumbs. Bake for approximately 30 minutes. I like to broil and take it out when the topping is golden brown.

Remove from oven and rest for five minutes before serving.

Bon appetit!

Deixe um comentário

Arquivado em Receita

Caminhada no parque de Malibu Creek

Para espantar a preguiça de um sábado eu e meu namorado resolvemos fazer uma caminhada no Malibu Creek State Park, que comemora 35 anos em 2011. O parque também é conhecido por ter sido cenário de diversas filmagens desde a era do cinema mudo (1919). Em 1946 a 20th Century Fox Studios comprou um terreno de 2.000 acres dentro do parque para montar um rancho de filmagem (shooting ranch) – que lá permaneceu até que o Estado da Califórnia comprou o terreno em 1974 para abrir o parque ao público dois anos mais tarde.

http://www.malibucreekstatepark.org/Elvis_-_LMT.jpg

Elvis Presley durante a filmagem de "Love Me Tender"

Toda as externas do programa de TV M*A*S*H também foram feitas no parque entre 1972 e 1983 e muitos dos turistas que lá chegam querem ver de perto o set de filmagem. Como a Natureza estava ‘engolindo’ o set, em  2007 ele foi restaurado – com o devido acompanhamento ambiental.

Malibu Creek é belíssimo, tem mais de 4.000 acres e nem parece que está a apenas 30 minutos da movimentada Los Angeles. Lá dentro é só verde para todo o lado. Os visitantes procuram o parque para caminhadas, mountain biking, escaladas, cavalgadas e camping, além de poderem mergulhar nos diversos lagos que ele oferece.

Como não tem banheiro para tudo quanto é lado eu fiquei economizando na ingestão de água e o corpo reclamou com câimbras na batata da perna direita. Porém, foi só fazer um pouco de alongamento e me hidratar um pouco mais para continuar a exploração numa boa.

O parque também oferece mesas de picnic que estão bem espalhadas, além de uma concentração de mesas cobertas na entrada do parque, ao lado dos banheiros.

Vista do restaurante Chart House, Malibu

Como não programamos picnic e já estávamos morrendo de fome, saímos de lá direto para o restaurante Chart House, na beira da praia de Malibu, que tinha uma vista incrível. Porém, a comida deixou a desejar.

Tirando o trio de sopas que oferecia creme de marisco, caldo de lagosta e gazpacho (Best of Soup: sampling of each: clam chowder, lobster bisque & gazpacho) não gostei do resto dos pedidos.

Shrimp Tempura Roll, Charter House-Malibu

O enrolado tempura de camarão (Shrimp Tempura Roll) quase não tinha o crustáceo dentro, além de o tamanho ser super deselegante de comer. Já as vieiras grelhadas (Pan Seared Scallops) estavam muito cozidas, e o arroz de açafrão que as acompanhava não me encantou nadinha.

A mágica ficou por conta da vista translumbrante e do Prosecco Santa Marguerita que foi servido com uma flor de hibisco comestível dentro! Adorei, principalmente porque o chá de hibisco gelado é uma das minhas novas manias. Como mimo de aniversário o restaurante dava de presente a taça comemorativa em que o drink era servido, que levei para casa como souvenir.

Aqui um pouquinho do que eu vi durante a minha visita ao parque:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Deixe um comentário

Arquivado em Turismo, Viagem

Miami não é South Beach

Então, odeia Miami por conta da superficialidade de South Beach?

Ou o destino para você significa escala para Orlando?

Pois bem, Miami pode ser muito, mas muito diferente do que é vendido pelas agências de viagens. A começar pelo evento de arte, Art Basel, que começou essa semana em Miami Beach (e arredores) no dia 06 e vai até amanhã.

Shepard Fairey & Obama

Eu tive a oportunidade de conferir de perto em 2009 no Design District, mas esse ano fiquei só paquerando na Web. O evento é incrível, tanto que eles chamam de ‘show’.

É como se o Arte de Portas Abertas de Santa Teresa se estendesse pelos bairros do Centro da Cidade do Rio de Janeiro, com direito a grafitagem de muros e diversos tipos de instalações em diferentes espaços urbanos.

O clima é descontraído e delicioso. Quando eu fui tinha um terreno baldio todo trabalhado nos artistas famosos como Shepard Fairey, aquele que fez o famoso cartaz de Obama – que vc pode conferir na foto e na entrevista que não consigo incorporar clicando AQUI. Muito bom. Eu tenho um bocado de fotos, mas com essa vida nômade os arquivos ficaram no Rio.

Agora vamos ao que interessa: gastronomia. Esse ano estive nos arredores do Design District aproximadamente duas semanas antes do Art Basel começar; acompanhando meu namorado, Dan, numa reunião com o ex-candidato a Prefeito de Miami Beach Steve Berke. Eles se conheceram em Los Angeles durante uma filmagem e o Dan acabou fazendo a identidade gráfica da campanha dele. O cara é muito divertido, até porque é um jovem comediante inteligente; e por isso chamou atenção da mídia aparecendo no Miami News Times, Maxim’s e New York Times.

Meu vídeo preferido é o que ele fez com o apoio dos tenistas.

O encontro foi marcado num restaurante/deli no Design District que não conhecíamos: The Cheese Course. O lugar é uma gracinha e já é uma rede com 6 restaurantes na Flórida: Coral Springs, Midtown Miami (aonde fomos), Boca Raton, Pinecrest (a inaugurar), Halllandale e Weston. Todo no estilo francês, com alto padrão de qualidade, e mais de 150 tipos de queijos do mundo todo. Fora os vinhos.

Uma perdição.

A fachada

Quando cheguei fiquei doida. Quem me conhece sabe da minha obsessão por cardápios. Já decorei uma mesa inteira com colagens de cardápios diversos… E posso passar uma noite inteira lendo o tal menu. Acho que foi por isso que quando comecei a cozinhar a ‘coisa’ veio fácil. Tem um cantinho aqui que arquiva sem eu saber direito.

Escolhi logo a Burrata porque vi na vitrine que estava derretendo de macia – eu podia sentir a cremosidade na minha boca, uma tentação sem precedentes – acompanhada de um vinho da Alsácia que adorei: Helfrich vin d’Alsace Riesling. Mais mineral e muito leve. Acabamos tomando 2 garrafas.

Olhando as opções, fiz uma lista do resto. Das carnes: Prosciutto di Parma (meu predileto, disparado) & Spanish Serrano Ham (mais ‘chiclete’, mas não menos saboroso). Dos queijos: Taleggio (‘Washed Rind’) & Tete de Moine (Semi-Duro). Apesar de sempre ter amado taleggio, principalmente em risottos, tive que pesquisar o que ‘Washed Rind’ significava exatamente e lá vai uma pequena explicação: esse tipo de queijo é banhado numa mistura de água salgada com vinho, brandy ou bebidas alcóolicas locais, o que faz com que não forme uma casca dura, tornando-os mais macios (tradução livre).

Confira a fonte:

Washed rind cheeses are typically bathed in a wash of salted water, wine, brandy or local spirits, according to the traditions of each region. This washing helps to break down the curd from the outside, gradually becoming a part of the cheese, rather than just a skin. The washing process helps cheeses to retain moisture, and develop a powerful flavor. Through this process, the cheese becomes soft, thick and brilliant often reddish or yellowish. Washed rinds cheeses typically present a paradox, in that their colorful, often pungent rinds contrast with beautifully smooth and creamy interior.

O Dan escolheu a ricota trufada, que adorei o sabor, mas não parecia uma ricota na aparência. Ricota no meu entender é um queijo não coagulado e magro. Esse era tão amarelo, duro e delicioso que penso ser impossível de ser incorporado numa dieta…

Enfim, venceu o paladar! E a má impressão ficou por conta do Tiririca, lembrado pelo nosso querido ‘ex-futuro-candidato’ a Prefeito de Miami Beach, que sabia de um comediante brasileiro que ganhou as eleições…

Este slideshow necessita de JavaScript.

Outra dica imperdível é o restaurante peruano em Downtown Miami Ceviche 105. Eu sou metida à besta a dizer que faço um dos melhores ceviches do Brasil. Tive um professor de espanhol peruano que me ensinou a receita. Hoje em dia ele diz que ceviche que se presta não usa tomate  – porque vira salada – e nem pimentões (porém eu tenho certeza de que tenho a receita com a letra dele inserindo todas as cores de pimentões possíveis…).

Ceviche 105: delicioso, apesar de barulhento. Minhas primocas Regina e Monica nos levaram e adorei a degustação de ceviches e batatas peruanas (alô, Juba! você iria amar!). Só não gostei do drink Piscojito, que foi muito recomendado. Achei doce.

Passei logo para uma taça de vinho branco.

Até o próximo post :)

Ceviches deliciosos! (fonte: http://www.ceviche105.com)

Deixe um comentário

Arquivado em Turismo, Viagem