Arquivo do mês: julho 2014

Suspiros ao vento

urca

E o Rio de Janeiro guarda doces segredos.

Suspirou. Inspiração profunda. Lamento doce e melancólico de tristeza, desejo, amor e saudades. A vida seria menos colorida com a partida dele. Coração marcado a ferrete. Escrava dos sentimentos, implorava secretamente por um acontecimento qualquer que tirasse ela da condição de subjugada. No entanto caiu na real que o acontecimento era ela própria. Deixar o tempo resolver nunca fez brilhar seus olhos. Dona da sua vida, corre atrás do que quer ou foge do que não quer. O amor sempre foi o mais importante em sua existência. Sabia que sofreria um bocado por ser mais coração. Isso já estava traçado em sua trajetória terrena. E o amor engaiolado não tinha valor pra ela. O bom de amar é o exercício do sentimento. Gritar aos quatro ventos e fazer o amor crescer. Isso sim ela queria. Amor engaiolado é sofrimento. E nasceu para sorrir. A vida seria menos colorida certamente, mas as pipas estão soltas no céu.

Anaïs Nin — ‘Throw your dreams into space like a kite, and you do not know what it will bring back, a new life, a new friend, a new love, a new country.’

Deixe um comentário

Arquivado em Crônica, Prosa