¿Que Diabos? têm em Denver?!

Union State, LoDo District

Pois é… Fui parar no Colorado!

Tudo culpa da minha amiga Nina, que veio aos EUA de férias com os pais e me cutucou para encontrá-los em Denver. A capital do Colorado é muito limpa e no Centro tem muitos prédios antigos de tijolos aparentes – como o da foto ao lado da Union Station, primeira estação construída na cidade em 1881, na área de LoDo (lower downtown).

Um charme só!

LoDo é o coração da cidade, onde tudo começou. Hoje em dia o bairro é conhecido pela vida noturna e um exemplo de sucesso de revitalização e investimento urbano.

A 16th Street, rua principal, possui uma linha de ônibus gratuita para os transeuntes circularem e é cheia de restaurantes e lojas populares. Logo no primeiro dia partimos para a 16th e pegamos uma carona até Larimer Square. Essa rua é mais sofisticada, com boutiques exclusivas, cafés e restaurantes de dar água na boca. Na minha pesquisa pré-viagem achei a champanheria Corridor 44 que foi nossa primeira parada. Como era uma segunda-feira, a casa estava bem tranquila. Fui direto no escargot, que adoro! E escolhi uma degustação de espumantes rosés (acabei perdendo o cartão com os nomes da trilogia no meio da viagem, mas já entrei em contato para não deixar passar em branco minhas impressões).

Remember gentlemen, it’s not just France we are fighting for, it’s champagne! – Winston Churchill

Rioja e Corridor 44, Larimer Square

Ao lado do Corridor 44 fica o Rioja, um dos melhores restaurantes da cidade. Atmosfera agradável e bom papo com desconhecidos no bar. Tão bom que derrubamos 3 garrafas de vinho sem sentir e voltamos para o hotel muito satisfeitas.

Denver é na verdade muito gastronômica. Almocei no Panzano na 17th Street e foi uma experiência deliciosa. Primeiro escolhi Crespelle ai Funghi: Hazel Dell mushroom stuffed crepes, fonduta sauce and white truffle oil [sic]. Depois finalizei com o Capesante: Pan seared sea scallops with a sundried tomato and spicy salumi risotto, over a caper buerre blanc [sic]. Comi de joelhos. O crepe custou US$ 4,00 e a vieira US$ 6,00… Fiquei pensando no pastel da Casa Brasil na Praça São Salvador, ao lado da minha casa no Flamengo, RJ. Pastel safado, na maioria das vezes gorduroso e custa R$ 4,00. O Rio de Janeiro, realmente, não tá fácil.

Art grows out of each particular situation, and I believe that artists are better off working with whatever their environment throws up. El Anatsui

Denver também dá muito valor à Arte, oferecendo diversas galerias e museus. Tentamos entrar no recém-inaugurado Clyfford Still Museum, mas ele ainda não estava aberto ao público. Então fomos no tradicional Denver Art Museum, que tem um acervo pequeno, mas bastante diversificado.

O que mais me impressionou foi a exposição do artista contemporâneo El Anatsui, de Gana. Suas obras têm cunhos político, social e histórico e são, na maioria, construídas com panos e objetos colecionados como tampas de garrafas, envólucros dos gargalos de bebidas amassados e arames. Ou seja, transforma lixo em arte como o brasileiro Vik Muniz, que tem parte da sua coleção Earthworks (2002) também no mesmo museu.

Encontrei um vídeo com uma pequena entrevista sobre sua trajetória e a participação do artista na Bienal de Veneza de 2007 (infelizmente, sem legendas).

A Cow Parade também está por lá e encontrei 2 vaquinhas na 16th Street :)

Pensei logo na minha irmã caçula, que adora vacas. Abaixo um slideshow dos melhores registros, embora eu não seja uma fotógrafa muito boa, principalmente com a câmera terrível que insisto em não aposentar.

Dica imperdível: a casa de jazz, El Chapultepec. Uma portinha esquisita na Market Street que guarda grandes músicos. A revista americana Esquire resume bem: “El Chapultepec smells like New York, feels like New Orleans, and sounds like southside Chicago.” Por lá passaram mestres como Chet Baker, Stan Getz e …. Miles Davis!!!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Turismo, Viagem

2 Respostas para “¿Que Diabos? têm em Denver?!

    • Nina, escrevi para o Corridor 44 e a responsável me mandou um e-mail com o menu de espumantes ;) A trilogia do Rosé Flight que provamos foi: Bouvet brut rose, Gruet Brut Rose & Lucien Albrecht Cremant d’Alsace. E o que menos gostamos foi o espumante americano Gruet Brut Rose, que achamos muito frutado.

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s